O UNPLANNED ESTÁ MORTO. LONGA VIDA AO UNPLANNED.

Ops! Tiramos o Unplanned do ar.
Não é por nenhuma falha técnica. Os servidores até que estão, milagrosamente, funcionando bem.
O acesso e as visitas também. Temos até alguns posts na fila para serem publicados.
O problema é mais embaixo: o mundo mudou. E o Unplanned não.
E isso mexe todos os dias com a gente. Tira o sono, sabe?

Hoje, quem não dança conforme a música, acaba dançando.
É só ver as notícias pra ver uma valsa inteira feita por Dungas, Donald Trumps e Eduardo Cunhas.
Dirigida por Cooperativas de Taxi aflitas, Confederações de Futebol amedrontadas e Governos em choque.
Patrocinada por marcas no divã, ou de castigo, cometendo erros infantis.
Palco onde brilham diversos grupos e organizações duras, onde sempre os mesmos revezam o holofote do poder.
Líderes que não se renovam. Se revezam. E não lideram ninguém fazendo de novo o de sempre.

O mundo de hoje gira em outro compasso. Mais flexível, inspirador, democrático, orgânico e possível.
Onde as possibilidades são infinitas.
Onde uma Miss decide abandonar o concurso mundial por protestar contra xenofobia. Onde um clube é eliminado,
porque uma torcedora ofendeu gravemente um jogador. Onde qualquer um cria, participa, tem voz, faz.
Onde até os construtores resolveram colocar tudo abaixo. Se eles podem, porque a gente não?

Vamos derrubar o Unplanned por 50 dias, 1200 horas.
Tempo suficiente para gente se entender de novo.
Pra ouvir, debater, se desplanejar.

Sem medo de expor nossa fragilidade. Sem medo de tentar ser feliz.
Sem a menor ideia ou compromisso com o que vai sair dessa jornada.
A única coisa que dá pra garantir é que estamos cheios de perguntas sobre esse mundo maluco e excitante.

Por que as pessoas não se esforçam para entender melhor as coisas? Por que as pessoas têm tanto medo de fazer?
Por que tanta burocracia? Por que tudo está tão igual? Qual o valor das coisas que valorizamos? Será que estamos
deixando algo de bom? Fazemos alguma diferença?
Vale a pena acordar e gastar energia nas coisas que gastamos? Estamos evoluindo?

Mil perguntas. Zero respostas.
A boa notícia é que nesse mundo paradoxal as respostas nem são a coisa mais importante.
Você se move quando você faz as perguntas certas e com elas vai apostando suas ações e tentativas.

Fazer. Aprender.
Aprender. Fazer.
Sem ordem ou medo.
Queremos tentar um mundo novo: menos sobre a chatice que virou o velho planejamento, mais sobre entendimento,
ideias e impacto.

#RipUnplanned

* Tem uma mensagem? Quer nos encorajar? Quer agradecer? Criticar?
Tem uma provocação? Dica? Quer falar umas verdades? Quer fazer parte? A hora é essa.
Mande para novounplanned@gmail.com